AS VINTE CHAVES MÁGICAS E OS VINTE NÍVEIS - O Vigésimo Nível um livro, uma jornada interna, em busca daquilo que você não se deixa ver. É a descoberta, no reencontro do meu melhor como indivíduo. Clique para ler os livros. No rodapé do Blog.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

HTTP/1.1 Server Too Busy


Poderia ser melhor.
Mas esta foi a mensagem que recebi ao clicar no link que me levaria a

http://msn.guiadasemana.com.br/MSN/film.asp?ID=11&cd_film=3350&cd_city=1

E que fala do filme ‘Bruna Surfistinha’ estréia nos cinemas, que conta a história de uma garota de classe média que decide abandonar tudo e se tornar garota de programa, protagonizada pela belíssima e talentosa atriz brasileira Deborah Secco.
Absolutamente nada contra a Bruna Surfistinha, ou sua história, nem conheço o conteúdo do filme. Pode até ter uma bela mensagem. Mas mesmo que tenha um final feliz, será que todas as jovens que saírem de casa para serem garotas de programa terão um final feliz? Como se supõe que o filme deve ter?
Há poucos dias li uma noticia em um jornal de grande circulação, que muitos professores possuem erros crassos de ortografia e gramática. Se somarmos isto a qualidade de ensino, e a recomendação para não reprovar, o futuro serão professores que terão ainda menos qualidade para ensinar outros tantos. E assim sucessivamente, não se sabe onde pode terminar.

http://www.oieduca.com.br/artigos/noticias/mec-vai-recomendar-o-fim-da-reprovacao-nos-tres-primeiros-anos-do-fundamental.html

Bem, quando não temos suficiente conhecimento, não sabemos quais são nossas possibilidades; sem saber quais são elas, não possuímos condições de escolha. Sem poder escolher, não saberemos o que é melhor para nós, então, qualquer coisa servirá. Da educação a alimentação, dos relacionamentos pessoais à convivência social, não seremos nunca agentes modificadores do meio em que vivemos, simplesmente por que não sabemos o que é melhor para nós, então não podemos implantar mudanças, por que não podemos criar; Não conseguimos discernir, passamos a ser apenas operários de uma nação, a trabalhar de sol a sol e pagar impostos; volta e meia, meia volta, o circo abre as portas, e o povo, nós, vamos assistir. Como robôs, a nossa vida é “incutida”, e as idéias deles, passam a ser as nossas.
A sugestão subliminar via mídia total (Internet, TV, Jornais, Rádios), aliado a uma latente falta de educação, nos diz que o filme da Bruna Surfistinha, é um filme bacana, a ponto de nos convencer, se o final for bom, que não há problemas se nossas filhas forem garotas de programa para se sustentarem. Vai “passar batido”, em função de uma das atividades e profissões que este Brasil tem de melhor: - Cássio Gabus Mendes, Drica Moraes e Guta Ruiz no elenco do filme, continuam a mostrar a capacidade de interpretação e talento artístico que poucos Países no mundo, incluindo os Estados Unidos, e sua indústria de filmes, possuem que é a habilidade nata, Divina, dos atores, de incorporar nítidamente um personagem e viverem a vida deles, como se eles fossem.
Por isto, eu vou ao cinema assistir, por que me sinto um cidadão melhor, sabendo que nossas atrizes e atores, são os melhores do mundo.
E se a história da Bruna Surfistinha terminar bem, também fica a mensagem que qualquer pai ou mãe poderá dar: - Ela conseguiu, mas você talvez não, minha filha.
HTTP/1.1 Servidor muito ocupado. Muitos querendo acessar.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

O CABER DO SABER


Tem coisas que sabemos e outras não;

As que sabemos, sabemos por que queremos.

As que não sabemos, é por que não aprendemos;

Ou por que não queremos.

Mas algumas, não sabemos, por que não conhecemos;

Não sabemos da sua existência;

Então não temos por que temer não sabermos, coisas que não conhecemos,

Mesmo por que

Por mais que quiséssemos saber das coisas que não sabemos,

Seria impossível saber de um lugar

Para colocar, o todo.

E a estas que não cabem nem no todo,

São exatamente aquelas que nunca saberemos.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

O TRÂNSITO SOCIAL DIGITAL


Nossa que maravilha! Há dez anos não se poderia imaginar como seria o mundo com a tecnologia que existe hoje. Mas nem falando exclusivamente na tecnologia, mas nos serviços que ela proporcionou.

O primeiro de todos é a liberdade de procurar e conhecer tudo o quanto você queira e sua mente deseja. Mas eu não vou ir longe, vou me ater às redes sociais. Quando as redes foram criadas, existia um conceito de “comandar a distância” ou “distribuir suas idéias” pelo conceito de REDE; não se entendia muito bem o que seria um sujeito que tem uma REDE. Quem trabalhava com Informática, como eu, até que sabia o que era uma REDE, mas de computadores. Mas não se conseguiria imaginar uma REDE SOCIAL. Esta “menção” começou no século passado, final dos anos 90, e inicio do século 21. Falava-se na tal de REDE de pessoas, e quanto maior fosse a sua REDE mais importante, ou mais longe seu produto iria. Mas o que eu faço para ter uma REDE? Pensava-se? Ligo? Telefono? Mando cartas? Pombos Correio, talvez? E neste desconhecimento ficamos. Poucos usavam uma rede social, SEM INTERNET, com eficiência, para a época. O conceito de REDE então era algo extremamente PROFISSIONAL! Uma rede era o “supra-sumo” dos técnicos em suas respectivas áreas: - bancários, banqueiros, engenheiros, redes de assistência governamentais, polícias, taxistas (com seus rádios era comum nos EUA desde a década de 70), se “lavavam” criando conteúdo, informação, tecnologia, serviços e clientes.

E, não mais que de repente, entramos na Internet em 2000, e chega ao Brasil, a primeira rede, cuja finalidade, era unir (leia isto em tom garboso) “os profissionais, e encontrar os parceiros de profissão, desenvolver tecnologia”, enfim, uma NASA, queriam criar uma NASA, pela Internet.

E o ORKUT entrou no Brasil, e naquele tempo até era possível você visitar páginas de estrangeiros, mas depois nos colocaram numa ilha, na ilha brasilis. E o brasileiro, solto, leve, “escrachado”, deu seu toque e começou a encher de imagens, e cartões, e com toda a alegria característica do povo brasileiro, que faz a diferença na formalidade do Inglês, ou da “sisudês” americana.

Existem dezenas de redes sociais, para quem não sabe; eu até que sabia que eram mais do que duas, mas outro dia me deparei com uma listagem, que simplesmente me deixou de queixo caído: - não pode existir um ser humano que participe de todas ao mesmo tempo, por que é simplesmente IMPOSSÍVEL. A lista começa com você girando a rodela do mouse, e aquela página na Internet não acaba NUNCA! É um horror a quantidade de REDES! E NÃO ESTAVAM INCLUÍDAS, dizia ao final, as redes sociais exclusivas de encontros. É pura piração! O sujeito não agüentaria! Já imaginou ser convidado para TODOS os aplicativos e jogos de TODAS as REDES? E pior, por educação... ACEITAR?

E chegamos finalmente ao FACEBOOK. O Facebook é a minha rede por preferência.

ORDEM UNIVERSAL DOS SERES ESTELARES é minha mais nova rede, onde encontro os seres humanos que mais se esforçam para aprenderem as leis Universais do SER, DO ESTAR, E DO COMO ser mais e melhor como habitantes deste Planeta e nesta dimensão.

O Twitter, não é exatamente uma rede social, apesar de estarem todos interagindo; faz parte de um “social fast”; é legal.

Não descarto o ORKUT, por que tenho amigos lá, ou pelo menos, em minha página, eles se encontram. Enviei e recebi muito carinho e atenção, mas confesso que não consigo encontrar um cartão que se identifique comigo, por isto não envio nenhum, ou muito poucos. Fico preocupado quando não vou lá com certa freqüência.

Mas cada um tem seu público, e ambos de qualidade, e muito amigos.

Mas o Facebook, apesar de ser mais formal, a rede é composta por pessoas que respeitosamente falam absolutamente sobre tudo! O Facebook me trás uma liberdade de expressão, que me permite, por exemplo, estar falando com uma amiga que diz que nem tudo que “reluz é ouro, E NEM TUDO QUE SE CHUPA E PICOLE”, e eu respondendo “Com certeza! Pode ser...cana! Por que CANA é dura, e dá um suco. Melhor que sorvete, que é gelado, mole, e derretido.” No momento seguinte, já posso estar no SKYPE, falando com meu amigo de infância, dono de uma corretora, sobre seguros e empréstimos, e após, ainda no espaço de tempo a seguir, já estamos juntos, comentando sobre algo, em nosso grupo da nossa cidade natal. Falamos até de melancias. E não mais do que de repente, estou escrevendo em meu inglês “natural” (como falam quando você não é fluente...) sobre um Japonês que inventou uma máquina de extrair ou transformar plástico em óleo; das lembranças nas minhas aulas de Química Analítica, Físico-Química, e Química quantitativa, etc, eu o questiono, em Inglês sob sua invenção, o custo de produção e o que fazer com seus subprodutos.

Logo a seguir posso estar eu de conversa com um amigo que é professor de história nos Estados Unidos, consciente, capaz, competente e inteligente. Discuto com ele, sobre AVATAR, e descubro que a minha suspeita é plausível: - AVATAR é uma refilmagem moderna da conquista do velho Oeste, americano.

Faço parte de um grupo de anjos mundiais, pessoas com o coração aberto, que querem uma humanidade melhor, num mundo melhor: - é o HUMANITY TEAM. Aprendo a ser mais e melhor com eles, também.

Sem contar os encontros e os amores que são criados nas redes, e que proporcionam a estes novos casais, uma aproximação inimaginável, há anos atrás. Quantos encontraram seu amor na REDE?

Somos todos adultos e a brincadeira “rola” legal entre muitos, no maior respeito, com a individualidade e à inteligência de cada um; Cria-se conteúdo, revisitamos o mundo todo dia, fazemos mais e mais amigos, e damos boas gargalhadas. E é claro, os grupos de auto-ajuda, como VIVER MELHOR, e tantos outros, cujo objetivo é auxiliar quem pudermos, ou quem pedir e até mesmo nós solicitarmos ajuda.

Estar junto de personalidades, e poder interagir com elas, é outra grande característica.

Receber mensagens da Rita Lee, do Rick Wakeman e do Elton John, não é prá qualquer um não é meu caro? Está certo, eles não respondem, por que se o fizerem, com um terão que fazer com todos. E são milhares. Mas só por ter um pouco do cotidiano daqueles que fizeram (e ainda fazem), sua adolescência mais rica e mais intensa, e sua maturidade mais valiosa, é algo precioso, estar com eles.

Exercitamos apenas nosso direito e o PRAZER de transitarmos como seres humanos, nas mais variadas áreas do conhecimento humano, num Universo enorme, estimado de milhões de pessoas, impossíveis de serem atingidas com malas-direta, telefone, ou pombos-correio. O limite é você quem impõe.

E isto, hoje, é muito bom. Dá a você a dimensão da responsabilidade como cidadão da TERRA. Você, É um TERRÁQUEO, e tem compromisso com esta jornada.

O Vigésimo Nível - Clique para ler

Uma Amor Para Lembrar - Clique para ler

O Poder da Intenção - clique para ler

O Vigésimo Nível no BUSCAPÉ

Compare e compre: Clique aqui

O Vigésimo Nível na Livraria Saraiva

Compre direto na Livraria Saraiva: Clique aqui

O Vigésimo Nível na Livraria Cultura

Compre direto na Livraria Saraiva: Clique aqui